Aborto . . . NÃO !!! Defenda a Vida!

14º) A mulher tem o direito de abortar, porque tem direito ao próprio corpo?

Resposta: - NÃO!!!

 

O nascituro é um outro ser humano, e não parte do corpo da mãe!

É uma presunção alguém achar que é dono da vida de outra pessoa; tal pessoa possui uma mentalidade escravocrata.

 

Nos EUA , durante a escravidão, as leis dos estados do sul diziam textualmente que gente negra não eram pessoas conforme as regras da Constituição Americana, portanto podiam ser comprados, vendidos, usados, e até mortos como propriedade do patrão, isto ocorria em 1857.

 

Tal mentalidade perdura até hoje na cabeça de muitas feministas. Ora, se foi comprovado cientificamente que, o nascituro já é um ser humano desde o momento da concepção e se é um absurdo, para qualquer pessoa, espiritual e mentalmente equilibrada, matar uma criança já nascida, então por que vamos permitir matar uma criança, no útero de sua mãe? Só porque é um estorvo para ela?

Um segundo ponto a ser considerado é que o argumento empregado pelas feministas, neste caso, para justificar o aborto, que é dizer que a mulher é dona do seu próprio corpo, é muito relativo; pois ninguém tem direito ao suicídio ou à automutilação.

Deveríamos considerar lícito, um aidético, sair mundo afora, contaminando outras pessoas, via relações sexuais ou via doação de sangue, só porque ele é dono do seu corpo e faz com ele o que quiser?

A todo direito conquistado, assume-se também um dever, a toda liberdade adquirida, recebe-se uma responsabilidade. O que acontece é que as pessoas que são favoráveis ao aborto, particularmente as feministas, querem o direito ao prazer sexual sem assumir o dever de uma família, de uma esposa ou de um marido; querem a liberdade sexual sem responsabilidades, como gravidez, filhos, vida conjugal e familiar.

Tais pessoas são irresponsáveis no mais profundo sentido da palavra, pois só querem liberdades e direitos, sem assumir nenhum dever ou responsabilidade.

A este tipo de liberdade, que é a liberdade irresponsável, dá-se o nome de libertinagem, que é na verdade uma negação da verdadeira liberdade; pois na libertinagem, as pessoas acabam se tornando escravas dos seus vícios e paixões.

Os libertinos além de irresponsáveis são também profundamente egoístas, pois só pensam em si mesmos e em satisfazer os seus caprichos e paixões, esquecendo-se por completo dos outros e até da própria família, cônjuge, filhos.

Alegar que a mulher tem direito ao aborto, pois tem direito ao próprio corpo é a quinta essência da ideologia libertina. Com tudo o que vimos, devemos considerar como normal ou justa a libertinagem? Devemos dar ouvidos aos libertinos e às suas teses? Achar que é moralmente lícito, que a mulher tem direito a abortar, porque ela tem direito ao próprio corpo, é o mesmo que aceitar como legítima defesa da honra o assassinato da esposa adúltera pelo marido traído.

As feministas se manifestam sempre ruidosamente, pedindo a condenação máxima para o réu, em julgamentos de maridos que matam as suas esposas infiéis. Devemos considerar ainda que muitas vezes o aborto é uma violência em dobro contra os direitos da mulher. Violência contra os direitos da mãe e da filha, pois nem todo nascituro ameaçado de aborto é menino.

Finalizamos com o jargão utilizado pelas feministas em cartazes e palavras de ordem, em julgamentos de homens que matam suas esposas, quando estas os traem e que se aplica perfeitamente neste caso estudado, que é:

“Quem Ama, Não Mata!” (lema do nosso movimento)

No céu você conhecerá as crianças que ajudou a salvar do aborto!

 

QUEM AMA NÃO MATA!!!

(lema da Sociedade Protetora dos Nascituros Imaculada Conceição de Maria)

 

            Coração Imaculado de Maria Livrai o Brasil da Maldição do Aborto!!!
 
(jaculatória criada pelo Bispo Emérito de Anápolis – Goiás, para ser rezada quando se ora contra a legalização do aborto no Brasil )

Alexandre Luiz Antonio da Luz

Ex-Presidente da Sociedade Protetora dos Nascituros Imaculada Conceição de Maria - Movimento oficial de defesa da vida nascitura da Arquidiocese de Curitiba

 

Voltar    < - >    Pergunta Nº 15