Aborto . . . NÃO !!! Defenda a Vida!
 

13º ) E nos casos em que há má formação do nascituro, devido ao uso da Talidomida durante a gravidez, o aborto é licito?

Resposta: - NÃO!!!

 

Porque, como já foi mencionado anteriormente, a vida humana começa a partir do momento da concepção e neste caso seria o mesmo que condenar à morte todos os deficientes físicos do mundo, o que aliás também já foi mencionado anteriormente.

 

Devemos salientar que a Talidomida, ou Amida Nftálica do Ácido Glutâmico, é uma droga, que é usada no tratamento da Hanseníase (Lepra) e expressamente proibida, de ser utilizada por mulheres em idade fértil, pelas seguintes portarias da Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde: - Portaria N.º 63 de 04 de Julho de 1994 e Portaria N.º 160 de 28 de Abril de 1997. Infelizmente muitos médicos receitam essa droga para mulheres em idade fértil.

 

A história da Talidomida é a seguinte:

- Em 1954, é desenvolvida na Alemanha um nova droga destinada a controlar a ansiedade, tensão e náuseas.

- Em 1957, essa droga passa a ser comercializada em 146 países. Em 1958, a Talidomida começa a ser vendida no Brasil.

- Em 1960, são descobertos os efeitos degenerativos da droga nos nascituros, durante os três primeiros meses de gestação.

- Em 1961, a Talidomida é retirada do mercado em todos os países do mundo, exceto no Brasil; tem-se início então, os processos de indenização em vários países.

- Em 1965, com quatro anos de atraso, a Talidomida é retirada de circulação no Brasil; mas, no mesmo ano, um médico israelense descobre os efeitos benéficos dessa droga no tratamento da Hanseníase e, com isso, a Talidomida volta a ser comercializada no mundo inteiro, inclusive no Brasil. A tragédia da Talidomida foi o principal fator que levou a Inglaterra a legalizar o aborto, na década de 70.

 

Aqui é necessário se narrar a história do Dr. Ruy de Noronha Miranda, ou como é mais conhecido, Dr. Ruy de Miranda, um médico dermatologista gaúcho, residente em Curitiba desde a década de 30. Ele é uma das maiores autoridades brasileiras em Hanseníase, foi professor da Universidade Federal do Paraná e diretor do setor de Hanseníase do Hospital das Clínicas de Curitiba.

 

Após se aposentar destas duas instituições em 1984, criou a Fundação Pró-Hansen, fundação esta, que trata de pessoas portadoras de Hanseníase e faz pesquisas científicas sobre esta moléstia. No dia 26 de Junho de 1988, foi publicada uma entrevista do Dr. Ruy Miranda, à repórter Marleth Rejane da Silva, no jornal de maior circulação de Curitiba, a Gazeta do Povo ( página N.º 22 ), na qual ele declara ter conseguido fazer o cultivo do Bacilo de Hansen em laboratório.

 

Isto, caso seja comprovado, é um fato inédito e notável, pois desde que o médico norueguês Gerhard Arnauer Hansen (1841 – 1912), descobriu, em 1868, o Microbacterium Leprae ou Bacilo de Hansen, nenhum laboratório do mundo inteiro, conseguiu fazer a cultura deste bacilo em laboratório.

 

O Dr. Ruy, disse nessa entrevista, que após Ter conseguido fazer essa cultura em laboratório, mandou a pesquisa para ser publicada em duas revistas médicas especializadas: uma nos EUA e outra na Inglaterra. Ambas as revistas não publicaram a pesquisa dele e nem lhe responderam. Ainda nessa entrevista, ele fez uma declaração, a respeito do fato, das duas revistas médicas especializadas, não publicarem a pesquisa dele e nem lhe responderem:

 

Países como o nosso são desacreditados. Eles acham que nós somos caloteiros, mentirosos e vadios. É difícil eles aceitarem o que nós dizemos! ” ( sic ).

 

Ele também disse nessa entrevista, que estava tentando provar cientificamente, que havia conseguido fazer a cultura, em laboratório, do Bacilo de Hansen; declarava que isto era muito difícil, pois cada bactéria para ser identificada precisa passar por várias provas biológicas e bioquímicas e pelo fato deste bacilo nunca ter sido cultivado em laboratório, ficava difícil achar um parâmetro de identificação; mas, de doze provas possíveis, ele já havia obtido resultados positivos em oito (ou seja, em 2/3 delas).

 

Ele ainda, nessa mesma entrevista, queixava-se da pouca verba que recebia para as pesquisas. Se o Dr. Ruy Miranda recebesse mais verbas para as suas pesquisas, ele poderia comprovar cientificamente, que conseguiu cultivar o Bacilo de Hansen em laboratório, e passaria para a fase final dos projetos 29 e 33 da Fundação Pró-Hansen que são, respectivamente, um remédio mais eficaz no tratamento da Hanseníase e uma vacina contra a Lepra.

 

Ora, se ele conseguisse fazer uma vacina contra a Hanseníase, isso implicaria, que num período relativamente curto de tempo, essa doença seria erradicada do mundo e, consequentemente, o Dr. Ruy Miranda ganharia o Prêmio Nobel de Medicina, se tornado o primeiro brasileiro a ganhar o Prêmio Nobel.

 

Com a erradicação da Hanseníase, a Talidomida voltaria a ser proibida no mundo inteiro e não mais se proporia o aborto eugênico para casos de mal formação fetal decorrente do uso de Talidomida durante a gravidez. Devemos ainda frisar, que a fabricação de uma vacina anti-Hanseníase e de uma droga mais eficaz no tratamento desta doença, renderiam ao governo e aos laboratórios que as fabricassem, uma excelente renda!

 

No céu você conhecerá as crianças que ajudou a salvar do aborto!

 

QUEM AMA NÃO MATA!!!

(lema da Sociedade Protetora dos Nascituros Imaculada Conceição de Maria)

Coração Imaculado de Maria Livrai o Brasil da Maldição do Aborto!!!
 
(jaculatória criada pelo Bispo Emérito de Anápolis – Goiás, para ser rezada quando se ora contra a legalização do aborto no Brasil )

Alexandre Luiz Antonio da Luz

Ex-Presidente da Sociedade Protetora dos Nascituros Imaculada Conceição de Maria - Movimento oficial de defesa da vida nascitura da Arquidiocese de Curitiba

 

Voltar    < - >    Pergunta Nº 14